segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Se dançares com o Diabo, o Diabo não muda. Ele é que te muda a ti!!!




Dançar conforme a música que toca!! É assim? Talvez... Mas por vezes há pessoas e situações que por muito que queiramos, não conseguimos mudar. Portanto temos que aceitá-las como são e dançar, conforme a musica, claro!



Estas situações são geralmente as que têm mais impacto em nós. Para o bom e para o mau, obrigam-nos a pensar, a mudar. Puxam pelos nossos limites, assustam e fascinam. 


A grande dificuldade está em saber dançar com o Diabo sem perder a alma. 



Para cada pessoa, existe ou já existiu na vida, um Diabo com quem dançar. São os que estão à nossa altura que nos desafiam, que nos fazem vibrar. Mas também temos que pensar que por vezes também nós somos o Diabo para o Diabo que dança connosco. Também o obrigamos a esticar os limites, a ter duvidas, também o forçamos a mudar, a ter medo, a evoluir. 

Dois Diabos não se juntam na mesma pista por simples acaso. O problema, quando isto acontece, é que costumam destruir tudo o que está à volta. Nem feridos sobram para contar a história. E claro que tratando-se de quem são, geralmente saem alegremente do caos sem mazela que se veja.  Por vezes, também, acabam por se destruir um ao outro, tal é a força do Inferno!! Em resumo:  é difícil lidarmos com a nossa própria espécie




Kesha - Dancing with the Devil




5 comentários:

  1. As mentes perversas acabam sempre por se encontrar ;)

    ResponderEliminar
  2. Há quem lute com os diabos... gosto de me aninhar com os meus... :)

    ResponderEliminar
  3. todos temos um lado escuro,lado este associado ao diabo.O lado místico eleva o desafio, a mente transborda e aí encontramo alguém semelhante a nós ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faceta oculta e "censurável" aos olhos desta nossa sociedade moralista e hipócrita

      Eliminar
  4. todos temos o diabo dentro de nós,apenas temos de aprecia-lo e fazer com que o desafio seja autêntico. Bjs

    ResponderEliminar